Camisaria

 

Nove entre dez consultoras de moda, redatoras e ícones fashion, estilistas, blogueiras, dentre outras profissionais da área, usam camisa branca clássica ou afirmam que ela é indispensável ao guarda-roupa da mulher moderna.

Quem já não leu?

“Camisa branca é peça fundamental para o guarda-roupa da mulher.”

“Vamos começar pelo básico? Camisa branca.”

Não estou aqui para concordar ou discordar, e sim para complicar. Risos!

Em primeiro lugar, se o seu corpo não é compatível com a camisaria clássica, seja porque o braço é gordinho, o estômago é alto ou o tronco é curto, apenas como exemplos, não há qualquer justificativa para você ter uma.  Não use! Não compre!

Agora, se a camisa clássica é adequada ao seu corpo, ou melhor, se o corte da peça te veste bem, te favorece, acho que a proposta é válida. Afinal, a camisa branca clássica pode ser usada em todas as estações e combina muito bem com calças jeans; com terninhos; com peças de couro; saias; bermudas, qualquer que seja o tecido; com casacos variados; suéteres e, até, com looks de festa, quando usadas com saias de tule ou zibeline.

Também fica chiquérrima com a gola levantada ou um lenço amarrado. Sem falar das possibilidades do uso de jóias e bijouterias sob ou sobre a gola.

As alternativas para o uso da camisa branca clássica são, realmente, infindáveis, o que lhe garante o título de peça versátil e atemporal.

 

Como eu disse, vim para complicar… Mas como? Defendendo o uso de uma camisa branca ousada, irreverente, assimétrica, oversize ou desconstruída. A nova estação pede descontração, mais leveza e alegria no vestir. Isso é claro, sem prejuízo da camisaria clássica.

Além de super tendência para o verão, essa camisa diferenciada pode vestir bem até aquela mulher cujo corpo não “leva” bem o modelo clássico. E é também muito versátil, podendo ser usada, inclusive e se mais longa, na praia ou piscina.

Se você não rechaça essa idéia da “ousadia na camisaria”, arrisque-se com uma. Há camisas desse tipo de todos os preços. Invista em uma que não comprometa seu orçamento e que seja versátil e, de quebra, anime seus looks de verão.

Por Ana Huth

Sobre…

Ana Huth cresceu em meio aos tecidos do ateliê de costura de sua mãe na cidade de Niterói-RJ, mas acabou optando por seguir a formação jurídica de seu pai. Profissional da área jurídica há 23 anos no Rio de Janeiro, jamais deixou de lado o encanto das tramas das rendas, a suavidade das sedas, o caimento dos crepes…. Após curso de moda e imagem em Paris, e impulsionada por amigos, passou a dividir suas experiências escrevendo sobre o envolvente mundo fashion.

 

Você pode gostar também

Deixe seu comentário

(Seu email não será publicado)